Cara ou Coroa

País não tem religião oficial, mas por que o real traz "Deus seja louvado"?

Felipe Branco Cruz

23/01/2018 06h38


A resposta curta: por causa do Sarney



Agora, a resposta longa. Respira fundo porque lá vem textão.

Católico, José Sarney, quando era presidente do Brasil (entre 1985 e 1990), determinou por meio de um decreto que todas as cédulas da nova moeda, o cruzado, que ele criou para tentar domar a inflação, deveriam ser impressas com a inscrição “Deus seja louvado”. Desde então, ateus e religiosos debatem essa treta, até hoje mal resolvida.


Leia também:


Exceto por um breve período no início do Plano Real (que explico lá embaixo), ninguém conseguiu reverter a decisão do Sarney.

As primeiras notas com a inscrição começaram a circular em 24 de fevereiro de 1986 e a frase é uma variação da expressão “In God we trust” (Em Deus nós acreditamos), que aparece no dólar americano.

Isso acontece mesmo o Brasil sendo um país laico, ou seja, onde nenhuma religião é a oficial do Estado.


“Deus seja louvado” apareceu pela primeira vez no cruzado

Cédula de dez mil cruzeiros sem a frase "Deus seja louvado" e a de dez cruzados já com a inscrição

Cédula de dez mil cruzeiros sem a frase “Deus seja louvado” e a de dez cruzados já com a inscrição


Por que a frase está nas notas até hoje?

Nunca houve uma lei que proibisse ou obrigasse o Banco Central a incluir o texto nas cédulas. Atualmente, a frase é mantida nas notas mais como tradição do que por uma determinação oficial.

Além disso, o Brasil ainda é muito religioso e a retirada da frase desagradaria diversos setores da sociedade. Até mesmo a Constituição, de 1988,  que é laica, traz em seu preâmbulo que ela foi promulgada “sob a proteção de Deus”.

Por outro lado, o “Deus” da nota é genérico, pode ser dos católicos, dos evangélicos, ou de outra denominação religiosa monoteísta. A inscrição, portanto, só “desagradaria” os politeístas ou os ateus.

A tentativa mais forte que foi feita para excluí-la do real ocorreu há seis anos. Em 2012, o procurador regional dos Direitos do Cidadão Jefferson Aparecido Dias, do Ministério Público Federal, pediu à Justiça a retirada da frase.

O MPF usou argumentos bastante razoáveis, como o fato de o Estado ser laico, e promover uma fé em detrimento de outra, além de não existir nenhuma lei autorizando a inclusão de expressões religiosas no dinheiro. Em seus argumentos, o MPF fez até uma provocação: “imaginemos a cédula de real com a expressão ‘Deus não existe’.

Na ocasião, o Banco Central se pronunciou dizendo que o fundamento para a existência da expressão é, justamente, o preâmbulo da Constituição (que já citei acima). O BC também levou em consideração que retirada da expressão iria custar R$ 12 milhões aos cofres públicos e gerar intranquilidade na sociedade.

Detalhe da inscrição “Deus seja louvado” na nota de R$ 100 (imagem: Felipe Cruz)


A Justiça, no entanto, negou o pedido do MPF. A justificativa foi a de que a expressão não é uma afronta à liberdade religiosa e que o MPF não apresentou dados concretos de que a frase cause incômodo à sociedade.

Um trecho da decisão da Justiça também traz argumentos interessantes para a manutenção da frase, que reproduzo a seguir:

“O exemplo mais contundente dessa distinção é, como já dito, o da Inglaterra, país com alto grau de liberdade religiosa, mas com uma religião estatal reconhecida na Constituição, onde o monarca é o governador supremo. No Brasil a longa tradição católica como religião oficial (mais de trezentos anos) deu nome a muitas cidades, institui vários feriados oficiais e delineou culturalmente o país. Tanto é assim, que apesar de não existir uma religião oficial, o Cristo Redentor é símbolo do País e o Natal é comemorado com decorações pagas pelas Prefeituras na grande maioria das cidades. Compete ao Poder Judiciário ou ao Ministério Público Federal, sob o argumento da inconstitucionalidade, afastar todas essas práticas, mudando o nome das cidades, abolindo feriados religiosos, impedindo que o Poder Público mantenha símbolos religiosos e comemorações afins? Creio que não”.

Até o Sarney, causador da treta toda, se pronunciou. “Eu tenho pena do homem que na face da terra não acredita em Deus”, disse candidamente.

E no Império?

Vale lembrar que o Brasil nem sempre foi um Estado laico. A Constituição do Império do Brasil, de 1824, começava com a frase: “Em nome da Santíssima Trindade” e continuava em seus primeiros artigos falando sobre o território, o governo, a dinastia e a religião.

No artigo 5º, a Carta Magna era categórica: “A religião Católica Apostólica Romana continuará a ser a religião do Império. Todas as outras religiões serão permitidas com seu culto doméstico, ou particular em casas para isso destinadas, sem forma alguma exterior do templo”.

E, mesmo assim, o dinheiro do Império não trazia a tal frase que hoje aparece em todas as nossas notas. Nas moedas, Deus aparecia escrito abreviado em latim na frase que acompanhava a efígie do imperador: “PETRUS II D. G. C. IMP. ET PERP. BRAS. DEF.” que significava “D.Pedro II, pela graça de Deus imperador constitucional e perpétuo defensor do Brasil”.

Cédula de 100 mil réis do Império do Brasil


Quando o real saiu sem “Deus”

Por um curto período de tempo em 1994, as primeiras cédulas de real de R$ 1, R$ 5, R$ 10, R$ 50 e R$ 100 saíram sem a frase “Deus seja louvado”.

Uma reportagem publicada pelo O Estado de S.Paulo em maio de 1994 explicava que o presidente interino e diretor de produção da Casa da Moeda, Tarcísio Caldas Pereira, não teria recebido nenhuma ordem do Banco Central e por isso as novas notas não saíram com a frase.

De acordo com Catálogo de Cédulas do Brasil, de Manoel Camassa, as notas que não tiveram a frase foram assinadas por Fernando Henrique Cardoso e Pedro Malan. E, depois, por Rubens Ricupero e Pedro Malan. Foi Ricupero, como Ministro da Fazenda, o responsável por pedir a volta da frase nas notas ainda em 1994.

Detalhe da cédula de R$ 100 sem a inscrição “Deus seja louvado”


As notas de R$ 100 sem a frase e com a assinatura de Ricupero e Malan, aliás, estão entre as mais valorizadas pelos colecionadores e podem custar alguns milhares de reais. O motivo é que saíram pouquíssimas unidades dela na época, já que, logo em seguida, o ministro pediu para que a frase fosse incluída novamente.

Particularmente, não tenho objeção ao dinheiro vir com a frase em louvor a Deus. Nos dias atuais, está tão difícil ganhar algum trocado que, quando conseguimos juntar um pouquinho, é praticamente um milagre mesmo.


Siga o blog nas redes sociais e não perca nenhuma atualização:

Sobre o Autor

Felipe Branco Cruz coleciona moedas e curiosidades. É jornalista com mais de 10 anos de experiência, com passagem pelos principais veículos de comunicação do país. Atualmente é repórter de entretenimento do UOL, onde escreve sobre cultura pop, música, cinema e comportamento.

Sobre o Blog

Cara ou Coroa é o blog de numismática do UOL. Por aqui você encontra reportagens e curiosidades sobre as cédulas e moedas do Brasil e do mundo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
UOL Economia
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Cara ou Coroa
Topo